Baterias de Areia podem se transformar em Energia Limpa

7 de julho de 2022
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
como evitar uma crise energética na europa

A crise energética global, agravada ainda mais pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia, está a causar problemas a muitos países. Mas, Finlândia tem chamado a atenção da Europa com suas Baterias feitas com Areia, um material abundante que, somado a uma ideia simples, pode ser a solução para este problema. Continue lendo para saber como isso pode ser possível.

Finlândia larga na frente

Pesquisadores da Finlândia instalaram a primeira bateria de areia totalmente utilizável no mundo, o que constituiu um enorme desenvolvimento na resolução da crise energética global, agravada pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

De acordo com relatórios, os pesquisadores afirmam que este desenvolvimento pode resolver o problema de como poupar energia renovável armazenando energia verde durante meses. Isto poderia resolver o problema do abastecimento durante todo o ano. Revela-se uma questão fundamental para pensarmos não só a energia verde, como também a utilização mais eficiente da energia.

Bateria de areia é energia limpa

Como funcionam?

As baterias de areia utilizam areia de má qualidade, que é depois aquecida utilizando eletricidade gerada a partir de energia eólica e solar, que geralmente se acredita ser mais barata. A areia pode armazenar esta energia como calor a cerca de 500 graus Celsius. Sua utilização pode ser para aquecer casas, especialmente no inverno, uma vez que a procura é normalmente mais alta, assim como os custos energéticos.

“Aquecemos a bateria de areia com eletricidade limpa, depois armazenamos lá o calor e recuperamos para uso posterior”, disse Tommy Eronen, o criador da bateria de areia, à BBC.

Enquanto ideias como estas ainda estão a ser demonstradas e não está claro se estas baterias de areia têm a capacidade de armazenar eletricidade bem como calor, o governo local apoia medidas como esta e entende que ideias como essa são muito promissoras.

Na Finlândia, este desenvolvimento é particularmente decisivo e traz esperança graças aos longos e frios invernos com que os cidadãos são confrontados.

“A procura de energia é bem alta. Poderia ser bastante dispendioso conceder tal energia na calada do Inverno. …. Se tivermos este tipo de solução que dê flexibilidade para o armazenamento de calor, poderá ser uma grande ajuda”, disse Elina Seppänen, membro do Conselho Municipal de Tampere, segundo um relatório da BBC.

Embora este possa ser um movimento único, é chocante não só porque é barato, mas também porque a areia pode reter calor a temperaturas drasticamente elevadas, como 500 graus Celsius, enquanto outros materiais, como exemplo a água, tem a capacidade de reter calor a cerca de 100 graus Celsius. Segundo Pekka Passi que trabalha na fábrica de Vatajankoski, o resultado é que uma porção significativa de calor armazena-se num espaço minúsculo.

como funciona a bateria de areia

Grãos que baixam os preços

O desenvolvimento da bateria foi feita pela primeira vez numa antiga fábrica de celulose na cidade de Tampere. O governo da cidade forneceu o espaço de trabalho e os fundos para  iniciar o processo.

“Se tivermos várias centrais eléctricas que funcionam apenas durante algumas horas no Inverno, quando arrefecer, será drasticamente caro”, disse Elina Seppänen, um especialista em energia e clima da cidade.

“Contudo, se tivermos este tipo de solução que oferece flexibilidade na utilização e armazenamento de calor, penso que ajudaria muito em termos de custos”.

O grande desafio

Um dos grandes desafios agora é se a tecnologia pode realmente fazer a diferença. No entanto, há uma queda profunda na eficiência, uma vez que a utilização da areia só serve para devolver energia à rede eléctrica. Todavia, poupar energia verde em forma de calor a longo prazo é também uma grande possibilidade para a indústria. Pois, a maior parte do calor de processo utilizado em alimentos e bebidas, têxteis ou produtos farmacêuticos provém da queima de combustíveis fósseis.

Outras equipas de pesquisa, tais como o Laboratório Nacional de Energias Renováveis dos EUA, continuam a analisar a areia como forma de energia verde. Entretanto, os finlandeses são os primeiros com um sistema comercial em funcionamento, que até agora está a funcionar bem, de acordo com os investidores.

“É muito fácil, mas gostamos da iniciativa de experimentar algo novo, de ser os primeiros no planeta a fazer algo assim”, disse Pekka Passi, director-geral da fábrica de Vatajankoski.

 

Será a areia um material sustentável?

 

A enorme bateria instalada na fábrica de Vatajankoski utiliza areia de um poço de areia próximo.

“Queríamos descobrir algo que pudesse ser obtido em quase qualquer parte do mundo”. Mas será que existe, de fato, uma abundância de areia em todo o mundo?

A procura de possíveis materiais irá aumentar 45% nos próximos 40 anos, de acordo com uma análise holandesa publicada no início deste ano. A areia reprodutora é normalmente extraída de rios e lagos, e os “piratas da areia” continuam a acelerar a degradação desses ecossistemas.

Corrida da areia

No entanto, no que diz respeito aos engenheiros finlandeses, não importa muito a qualidade da areia. Enquanto a areia de reprodução foi utilizada no primeiro modelo (para definir emissões de transporte), as baterias de areia funcionam com qualquer tipo que tenha uma densidade suficientemente elevada, dentro de certos limites termodinâmicos. Certamente, a ideia não é criar uma competição com outros sectores da economia por areia de melhor qualidade.

Na verdade, o foco é menos na areia e estamos realmente a falar de “ajudar os setores da energia eólica e solar a crescer”, acrescenta.

“Pensamos que este é apenas um dos elementos-chave para fazer uma sociedade com uma produção realmente elevada de energia eólica e solar”.

Com o caso bem sucedido da Finlândia e o planeta a precisar urgentemente de abandonar os combustíveis fósseis. Não é surpresa que a ‘Polar Night Energy’ esteja inundada de interesse.

Desde o triunfo em Tampere, a organização tem recebido muitas perguntas sobre dispositivos de construção, uma vez que a procura de aquecimento começa a fazer efeito. A sua ambição vai muito além da Finlândia ocidental, diz Markku.

“Queremos construir armazéns 100 vezes maiores a nível internacional, o mais rapidamente possível”.

 

Estamos no momento certo para falar sobre Energia

 

Os países pagaram um preço elevado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia, inclui a Rússia cortando o fornecimento de energia. A Finlândia, um exemplo da origem destas baterias de areia, foi um dos países mais afetados. A Rússia reduziu as suas exportações de gás natural para a Finlândia como uma medida simbólica, depois da Finlândia ter sinalizado o seu interesse em aderir à Organização do Tratado do Atlântico Norte. Esta medida marcou o fim de quase 50 anos de importação de gás da Rússia pela Finlândia.

A Polônia e a Bulgária são outros territórios pressionados pelas atuais circunstâncias no leste europeu. A Rússia cortou as exportações de gás natural para estes 2 territórios depois destes terem recusado a pagar em rublos. Isto foi visto não só como uma forma de a Rússia apoiar a sua moeda desequilibrada, mas também de retaliar os seus vizinhos europeus pelas sanções ocidentais que estavam a impor à Rússia por causa da guerra na Ucrânia.

De onde vem o Gás?

Cerca de 40% do gás da Aliança Europeia (UE) vem da Rússia.

A tática de cortar as exportações de energia natural da Rússia está criando enormes dificuldades para toda a região. Mas o alerta de uma crise energética não param por aí. A Rússia está disposta a tomar novas medidas se outros países não efetuarem pagamento em rublos.

Tais tensões podem também prejudicar o resto do mundo, uma vez que mesmo os países da UE que não compram o gás da Rússia poderiam sofrer com a elevação dos preços. Ocasionando uma perturbação nos mercados internacionais de energia, levando a uma escalada dos custos. Territórios como o Japão, China e Coreia do Sul terão de pagar mais pelo gás porque os países europeus continuam a entrar no mercado e a provocar uma escalada dos custos.

“Se a Rússia cortasse efetivamente o fornecimento de gás a uma parte significativa do continente europeu, especialmente à Alemanha, isso causaria sérias dificuldades económicas”, disse Jason Bordoff, diretor do Centro para a Política Energética Universal da Universidade. de Columbia, à NPR.

Nessa altura, encontrar fontes alternativas de energia para preencher o vazio parece ser uma medida necessária.

As últimas baterias de areia da Finlândia têm o potencial de ser o passo certo na direção certa.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

MINHA CONTA