Arquitetura sustentável e seus benefícios

16 de janeiro de 2023
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Arquitetura sustentável

Para que um projeto seja considerado arquitetura sustentável, deve haver adequadamente, soluções versáteis e inovadoras em todos os aspectos da sustentabilidade. Além disso, responsabilidade ambiental, também foca no desempenho econômico e na responsabilidade social e cultural.

Requer mudanças no comportamento pessoal, ter uma casa sustentável, demanda encontrar alternativas mais parcimoniosas que minimizem o consumo de recursos não renováveis. Embora algumas dessas técnicas e ferramentas sejam mais caras do que comumente usadas, contudo, sua economia pode mais do que compensar o investimento feito a médio e longo prazo.

Algumas estratégias  para uma arquitetura sustentável

  1. Refletivo – revestimento branco no telhado – reduz o calor dentro da edificação
  2. Radiação solar – enorme potencial de produção de energia fotovoltaica na cobertura para Norte
  3. Aberturas laterais – ventilação cruzada, ventilação natural. Aberturas voltadas para orientação dos ventos predominantes e saída do ar quente nas aberturas altas na fachada oposta.
  4. Beirais – para proteger do sol forte no verão e deixar entrar o sol no inverno.
  5. Aberturas Zenitais – iluminação e ventilação natural
  6. Telhados verdes – coberturas verdes para isolamento térmico e acústico
  7. Vegetação local – reduz o consumo de água e preserva os biomas nativos.
  8. Captação de Água de Chuva – Captação de água de chuva em cisternas. A água é filtrada e reutilizada por meio de sistema de irrigação por gotejamento e nos sanitários.
  9. Lareira – Aquecimento com madeira de reflorestamento ou briquete (lenha de serragem prensada).
  10. Conforto Térmico – A temperatura média é mantida por meio de estratégias passivas, como paredes de blocos de argila, concreto, etc.
  11. Materiais – Reciclado, livre de COV (compostos orgânicos voláteis), por exemplo, tinta, móveis…
  12. Madeira – certificada (FSC Brasil, o Certflor (Programa Brasileiro de Certificação Florestal)
  13. Metal (torneiras, chuveiros…) – monocomando de baixo fluxo que reduz o consumo.
  14. Sistemas de tratamento de águas cinzas (chuveiros, pias…) e águas negras (bacias sanitárias) – através da permacultura, também conhecidas como bacias de evapotranspiração, construídas com filtro biológico, em sistema horizontal.
  15. Geração de energia eólica,
  16. Compostagem de resíduos orgânicos – compostagem caseira para produção de fertilizantes naturais
  17. Fornecedores locais – Compre materiais e produtos locais sem longas buscas ou viagens de entrega, estimulando a economia local.
  18. Iluminação de baixo consumo e longa duração – Luzes LED, iluminação inteligente (smart), luzes detectores de movimento (presença), por incidência de luz natural (fotocélula)
  19. Horta
Existem vários selos que definem se sua arquitetura é sustentável e qual área da sustentabilidade ela atinge, como:
  1. em primeiro lugar, eficiência energética;
  2. em segundo lugar, gestão da água;
  3. posteriormente, alimentos orgânicos;
  4. veganos;
  5. também, manejo florestal;
  6. além disso, gestão de resíduos;
  7. da mesma forma, biodiversidade;
  8. assim como, turismo;
  9. além, setor têxtil.
Alguns dos selos existentes no Brasil são:
  1. BREEAM (impacto ambiental das construções)
  2. AQUA-HQE (construção com menor impacto ambiental do inicio ao fim)
  3. Ecocert (certificação de alimentos orgânicos)
  4. LEED (eficiência energética em edificações)
  5. Procel Edifica (eficiência energética em edificações)
  6. Casa Azul (uso racional de recursos naturais na construção de habitação social)

Por fim, lembre-se de que você e sua casa não terão um impacto ambiental da noite para o dia. No entanto, é preciso se desafiar e formar novos hábitos, como reciclar embalagens, reduzir o consumo de energia e doar roupas e itens em bom estado que não usam mais. Sem dúvida, ser sustentável é uma reforma moral e um resgate dos nossos antepassados. Todos nós deixamos uma pegada ecológica, isso é, consumo da população humana sobre os recursos naturais. Segundo o Fundo Mundial para a Natureza (World Wildlife Fund – WWF), a pegada ecológica mundial é de 2,7 gha/pessoa, enquanto que a biocapacidade disponível é de apenas 1,8 gha/pessoa. Isso quer dizer que a humanidade necessita hoje de 1,5 planetas Terra para manter o seu consumo.

Veja qual a sua pegada ecológica calculando em alguns sites

https://footprint.wwf.org.uk/#/

https://www.footprintcalculator.org/sponsor/PT/pt/17/results/0/summary

Estes são apenas alguns dos vários sites que oferecem um questionário para calcular sua pegada, mas não esqueça, tem que haver sinceridade nas respostas.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

MINHA CONTA