Discursos de ódio aumentam com mudanças climáticas extremas, afirma estudo…

14 de setembro de 2022
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Discurso de ódio na internet e mudanças climáticas

Os humanos preferem um clima de temperatura dentro de uma janela não muito quente, não muito fria, ou seja, uma temperatura ambiente que não afete nosso conforto físico, mas também nosso humor. Durante ondas de calor ou temperaturas muito baixas, os ânimos se desgastam, a paciência se esgota e o comportamento pode mudar sensivelmente. Agora, um novo estudo no The Lancet Planetary Health descobriu que isso é verdade não apenas em nossas interações pessoais, mas também online.

A equipe de pesquisa, liderada por Leonie Wenz, líder do grupo de trabalho do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK), mergulhou profundamente no discurso online para chegar às suas conclusões
Eles programaram um algoritmo de inteligência artificial para verificar os tweets em busca de discurso de ódio, que eles definiram, de acordo com os padrões das Nações Unidas, como qualquer comunicação que “ataque ou use linguagem pejorativa ou discriminatória com referência a uma pessoa ou grupo com base em sua religião, etnia, nacionalidade, raça, cor, descendência, gênero ou outro fator de identidade”.

Essa é uma definição ampla e o algoritmo às vezes pode ficar confuso com isso. Embora os pesquisadores possam treinar o programa para reconhecer palavras e termos de ódio, alguns têm vários significados.
Em geral, o estudo descobriu que nenhuma cidade ou região produziu mais tweets de ódio do que qualquer outra; todavia, a variável crítica que encontraram foi relacionada ao termômetro.

Como foi realizado o estudo?

Uma análise estatística de mais de quatro bilhões de tweets descobriu que temperaturas acima de 30°C levam a um aumento do ódio online em zonas climáticas, independente da renda ou preferências políticas.

Mas não são apenas as altas temperaturas que fazem o sangue dos fanáticos ferver. Temperaturas abaixo de 12°C também aumentaram o número de mensagens de ódio postadas no Twitter.
A pesquisa, publicada no The Lancet Planetary Health e baseada em tweets de usuários do Twitter nos Estados Unidos, descobriu que fora de uma zona de conforto de 12 e 21°C, o comportamento online agressivo aumentou em 22%.

O número mínimo de tweets de ódio foi registrado em temperaturas entre 15 e 18°C. Temperaturas acima de 30°C foram consistentemente ligadas a fortes aumentos no ódio online.

“Detectando tweets de ódio em mais de quatro bilhões de tweets de usuários dos EUA com nosso algoritmo de IA e combinando-os com dados climáticos, descobrimos que tanto o número absoluto quanto a parcela de tweets de ódio aumentam fora de uma zona de conforto climático: as pessoas tendem a mostrar mais comportamento agressivo online quando está muito frio ou muito quente lá fora”, disse Annika Stechemesser, principal autora e cientista do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK).

Os autores afirmam que isso pode ter implicações preocupantes para as mudanças climáticas, já que estamos a caminho de eventos climáticos mais extremos e temperaturas gerais mais quentes.

Desmatamento na Amazônia bate recorde no primeiro semestre de 2022

Quem são os grupos que mais sofrem com os discurso de ódios?

Embora possa ter sido difícil identificar exatamente quais grupos demográficos estavam fazendo o tweet de ódio, não foi difícil determinar quem eram os alvos. O estudo cita pesquisas existentes que mostram que 25% dos negros e 10% dos hispânicos foram submetidos a assédio online baseado em raça. Essas comunidades também estão entre as mais vulneráveis ​​aos impactos do clima extremo, agravado pelas mudanças climáticas. Membros da comunidade LGBTQ também são quatro vezes mais propensos a denunciar assédio online do que outros, segundo o estudo. Esses mesmos grupos, alertam os autores, são os mais propensos a sofrer com todos os tweets de ódio, incluindo os relacionados à temperatura – e isso representa um perigo para seu bem-estar

Kit Composteira Doméstica – M (para 1 ou 3 pessoas)

Os europeus, assim como os americanos, também são suscetíveis?

Um estudo de 2021 baseado no comportamento online dos europeus fez descobertas semelhantes.
Ele analisou mais de 10 milhões de tweets racistas de seis países diferentes, em diferentes zonas climáticas entre 2012 e 2018.
Ao estudar os dados diários de temperatura em congruência com os tweets, os pesquisadores encontraram o menor número de tweets racistas para temperaturas entre 5 e 11°C – temperaturas às quais as pessoas estão mais acostumadas.
Temperaturas mais quentes ou mais frias do que essas foram associadas a aumentos acentuados nos abusos racistas online.
Publicando na revista IOPscience, os autores disseram que seus resultados sugerem que o aquecimento futuro pode levar a um aumento na frequência e aceitação de conteúdo racista online.

Temperaturas extremas alimentando o ódio

No estudo PIK de tweeters dos EUA, os autores usaram inteligência artificial para identificar 75 milhões de tweets de ódio em um conjunto de dados de mais de 4 bilhões de tweets geolocalizados ao longo de seis anos.
Eles então analisaram como o número de tweets de ódio mudou à medida que as temperaturas locais aumentaram ou diminuíram.
Eles usaram a definição oficial da ONU para discurso de ódio, que é uma linguagem discriminatória com referência a uma pessoa ou grupo com base em sua religião, etnia, nacionalidade, raça, cor, descendência, gênero ou outra identidade.
Stechemesser disse que descobriu que o ódio online aumenta em até 12% para temperaturas abaixo de 12°C e até 22% para temperaturas mais altas nos EUA.
Anders Levermann, coautor e chefe de Ciência da Complexidade do Instituto Potsdam, disse que mesmo em áreas de alta renda onde as pessoas podem ter ar condicionado, um aumento no discurso de ódio foi visto em “dias extremamente quentes”.

“Em outras palavras: há um limite para o que as pessoas podem tomar”, disse ele.

Os autores dizem que, à medida que temperaturas extremas alimentam o ódio online, isso pode ter o efeito indireto de impactar a saúde mental das vítimas desse ódio.
A literatura psicológica nos diz que o ódio online pode agravar as condições de saúde mental, especialmente para jovens e grupos marginalizados”, disse Stechemesser.
Leonie Wenz, que liderou o estudo, acrescentou que conter as emissões e reduzir o impacto das mudanças climáticas não beneficiaria apenas o mundo exterior, mas também nossa saúde mental.

“Proteger nosso clima do aquecimento global excessivo também é fundamental para nossa saúde mental”, disse ela.

A preocupante ameaça dos discursos de ódio só aumentará, alertam os autores, à medida que as mudanças climáticas causadas pelo homem piorarem e os extremos de temperatura se tornarem mais comuns.
O ódio é uma qualidade exclusivamente humana, e a mudança climática é uma de nossas obras mais lamentáveis. Juntos, eles formam um par muito desagradável.

COWSPIRACY – Documentário sobre os impactos da Pecuária

Fontes:

Artigo Científico

Jonal

Kit Composteira Doméstica – M (para 1 ou 3 pessoas)

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

MINHA CONTA