Compostagem no tratamento do esgoto e resíduos de restaurante

17 de novembro de 2017
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
resíduos sólidos no lixo e esgoto exposto

Segundo dados da ABRELPE, a geração de resíduos sólidos urbanos, em 2016, no Brasil, foi de 78,3 milhões de toneladas. Desse montante, 71,34 milhões de toneladas são coletadas e encaminhadas para disposição final, sendo que 12,4 milhões de toneladas ainda são dispostos em lixões, gerando grande impacto ao ambiente e sociedade.

Por uma educação ambiental mais prática: urge a necessidade de ações que promovam experiências em boas práticas ambientais

Devido à ausência de incentivos por meio de políticas públicas, principalmente em relação ao aproveitamento e recuperação da fração orgânica, verifica-se uma sobrecarga nos sistemas de disposição final. Como alternativa para auxiliar na resolução deste problema, consequentemente, a compostagem torna-se viável ambiental e economicamente. Além do mais, trata-se de uma técnica alternativa para o tratamento de resíduos orgânicos urbanos, gerando como produto final um composto orgânico estabilizado, ou seja, sendo possível sua utilização como substrato para produção vegetal.

Ciclo Limpo: Uma alternativa ao gerenciamento municipal de resíduos orgânicos domiciliares

Portanto, o trabalho intitulado “Compostagem como alternativa no tratamento de lodo de esgoto e resíduos orgânicos de restaurante universitário” apresenta a compostagem como alternativa no tratamento de três tipos de resíduos orgânicos urbanos, lodo proveniente do tratamento de esgoto doméstico, restos de alimentos oriundos de restaurante universitário e poda de árvores proveniente de arborização urbana. Além disso, teve como objetivo monitorar o processo de compostagem por meio dos parâmetros pH, teor de água, temperatura e teor de sólidos voláteis. O processo de compostagem foi conduzido na área experimental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Francisco Beltrão – PR e as análises realizadas no laboratório da universidade (CHIARELOTTO et al., 2016).

O Processo

O processo de compostagem teve sua condução por um período de 49 dias e, por meio dos parâmetros de monitoramento durante o processo, certamente, a técnica foi eficiente na estabilização de todos os resíduos orgânicos em teste (CHIARELOTTO et al., 2016). Apontando para que o processo de compostagem pode ser realizado com sucesso em residências com restos de alimentos. Foi possível então, verificar grande potencial na reciclagem de resíduos sólidos orgânicos.

Enfim, os Resultados

Em suma, os compostos orgânicos finais obtidos por este processo, foram comparados com substrato comercial na produção das espécies florestais nativas Parapiptadenia rigida (Angico vermelho) e Piptadenia gonoacantha (Pau-jacaré). Contudo, após 50 dias de cultivo em casa de vegetação, as espécies foram submetidas a análises de desenvolvimento. Como resultado, foi possível observar melhor desenvolvimento para ambas as espécies cultivadas nos substratos orgânicos, provenientes da compostagem de restos de alimentos e lodo de esgoto (CHIARELOTTO et al., 2017). Com este estudo, de fato, comprova-se que compostos orgânicos provenientes do processo de compostagem, possuem potencial para otimizar a produção vegetal de espécies florestais, como o angico vermelho e pau-jacaré.

 

Autores

Maico Chiarelotto: Natural de Francisco Beltrão – PR, atualmente reside em Cascavel – PR. Primeiramente, Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Posteriormente fez Graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Francisco Beltrão (2015), posteriormente, Técnico em Meio Ambiente pelo Instituto Federal do Paraná (2014).

 

Priscila Soraia da Conceição Ribeiro: Natural de Porto Feliz – SP, atualmente, reside em Francisco Beltrão – PR. Em primeiro lugar: Docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Francisco Beltrão (UTFPR – FB), Departamento Acadêmico de Engenharia Ambiental. Além disso, possui mestrado em Engenharia Civil, pela Universidade Federal de Viçosa (2012). Posteriormente, fez Pós-graduação Lato Sensu em Educação Empreendedora, pela Universidade Federal de São João Del-Rei (2014). Assim como, Graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Viçosa (2010).

 

 

Referências

ASSOCIACAO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PUBLICA E RESIDUOS ESPECIAIS – ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2016. São Paulo, 2016.  Disponível em: < http://www.abrelpe.org.br >

 

CHIARELOTTO, M.; MONZANI, V. F.; CONCEIÇÃO, P. S. da; SZYMCZAK, D. A.; PRADO, N. V. do. Compostagem como alternativa no tratamento de lodo de esgoto e resíduos orgânicos de restaurante. In: 10º Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental. 2016. Disponível em < http://www.abes-rs.org.br/centraldeeventos/_arqTrabalhos/trab_20160909183627000000941.pdf >

 

CHIARELOTTO, M.; CONCEIÇÃO, P. S. da; MONZANI, V. F.; SZYMCZAK, D. A.; PRADO, N. V. do; SANTOS, F. T. dos. Uso de composto orgânico em substrato para produção de Parapiptadenia rigida e Piptadenia gonoacantha. In: Forum Internacional de Resíduos Sólidos. 2017. Disponível em < http://www.institutoventuri.org.br/ojs/index.php/firs/article/view/364 >

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

MINHA CONTA